10 dezembro 2013

Porque o Orkut era melhor que o Facebook

(Sim, eu sei que faz mais de 1 ano que eu não posto. Sim, eu sei que eu deveria fazer um post de retorno. Sim, sim, eu também sei que esse post é só reclamação. Mas me deixem :3.)

Eu simplesmente me sinto atônita com o fato de tanta gente ainda relembrar o Orkut com maus olhos. Boa parte dos brasileiros que hoje acessam o Facebook compartilharam de bons momentos na antiga rede social, e, mesmo assim, fazem questão de enaltecer apenas os gifs multi-coloridos que piscavam aqui e acolá de vez em quando.

Pois vou lhes dizer o porquê de o Orkut ser muito superior ao querido e americano Facebook. *Inserir aqui hashtag treta*.

http://img.orkutei.com.br/leio/37.gif
Saudades eternas.
A primeira coisa é o fato de que no Facebook as coisas simplesmente pulam na sua cara sem você ter muito controle. A rede é muito mais invasiva. Você pode ir lá e cancelar o feed ou parar de seguir as páginas que lhes tiram a paciência, mas ainda vê o comentário que algum amigo seu fez no post de outra pessoa, e logicamente eles também veem quando acontece o contrário - quando é você quem comenta em algum outro lugar. Eu simplesmente detesto isso e sinto meu espaço invadido o tempo todo, sem poder impedir que isso aconteça; se quero impedir que meus amigos vejam tudo o que comento, tenho que pedir para ELES configurarem isso no perfil deles. Algo que EU deveria fazer já que é a MINHA privacidade.

Eu não me recordo como isso acontecia no Orkut no início, e isso já é um bom sinal porque significa que não me dava dor de cabeça. A única coisa que lembro é que você podia ver no seu feed quando algum amigo postava fotos. Lá você não via o que seus amigos comentavam em comunidades, diferente das páginas do Facebook.

Outra coisa que incomoda no Facebook é a onda zoeira que toma conta de lá. Parece que quanto maior a inclusão digital, maior é a babaquice que se encontra nos nichos. Não que o Orkut fosse isento disso (por favor, lá era o lar da zueira s2), mas pelo menos lá você podia filtrar melhor. Podia escolher comunidades da zoeira, mas podia também participar de debates interessantes e sérios. Inclusive, filtrando bem o Orkut se tornava um ótimo lugar para pesquisa, (consertei um modem pesquisando na comunidade do respectivo modem).

http://www.imagensfacebook.net/wp-content/uploads/2013/08/chega-de-zueira.jpg
Tentador
Hoje em dia, no Facebook, não tem como conversar seriamente sobre qualquer assunto, as pessoas querem apenas zoar, e isso, me desculpem, é um saco. Se você leva um debate a sério acaba se tornando o chato sem graça. No Orkut, ao menos, você encontrava gente que se interessava em conversar de maneira decente, pelo menos vez ou outra.

Mas no Facebook não importa o quão sério seja o tema que você procura, de política a história, de livros a filosofia, você sempre - repito - S-E-M-P-R-E vai se sentir extremamente mal se for a procura de informação concreta ou discussão com pontos de vistas, pois para o Facebook, tudo é motivo de piada. Tudo é HUE HUE. Tá legal, engraçado, mas tem limite. Chega um momento que você quer conversar, só conversar. Só isso. Mais nada.

Só posso dizer que sinto falta de uma rede social como o Orkut, e espero que o reinado do Facebook acabe logo, porque infelizmente ele matou todas as outras redes sociais e fóruns semelhantes, não restando outro lugar para socializar na internet (ao menos em português) que não seja ele próprio.

28 julho 2012

Fools in love


Costumo dizer que pra cada pessoa é um amor diferente, ninguém ama de novo, mas sim de uma nova forma. De qualquer forma, eu nunca quis de fato. Amor trás muitos riscos, trás dor mesmo quando é bom, você nunca sabe como será depois de alguns anos, não sabe se a pessoa vai virar alguém estúpida, não sabe se ela vai te amar ou se vai ficar com você por conveniência, e não sabe se ela vai mentir (coisas graves) pra você. O amor por certo prisma é inútil, sem ele você também é feliz.

Só que não da mesma forma.

É diferente quando você tem alguém em quem você aprende a confiar aos poucos, por mais desconfiada que você seja. É ainda mais diferente quando essa pessoa é generosa e humilde, e você tem certeza que ela te olhará nos olhos. É diferente quando ela te ajuda a se levantar e você se sente abraçada mesmo quando estão longe um do outro. É diferente quando você mostra todos os seus monstros, todas as suas faces e fraquezas, medos bobos, suas vergonhas, seus desabafos e fatos que você não diz pra ninguém e nem pra si mesmo, e a pessoa com gratidão por você ter se mostrado, te entende, te ajuda, te ama mais.

Gratidão não é o que muitas pessoas sentiriam ao ver os monstros da outra.

E quando você se pergunta “será que seria muito diferente se eu nunca tivesse conhecido ele?” e não vê tão logo a resposta... Por ironia do destino você é obrigada a passar dias sem conseguir saber se a pessoa está bem, sem dizer um “oi” ou dizer o quanto sente por ela. Você quase morre de ansiedade. Então sente saudade e o peito dói de um jeito incrivelmente bom e ruim ao mesmo tempo.

Você não sabe como vai ser depois de anos, não sabe pelo que vão ter que passar.

Mas você quer passar.

É... É diferente.

--

 Sim, estou piegas haha